quinta-feira, abril 17, 2008

Em jeito de conclusão

Não sei bem se tudo me acontece, ou se sou naturalmente complicada. Mas muitas vezes o que parece óbvio e tão simples, toma proporções que merecem registo.

Ora vejamos.

Algures no início de Fevereiro, numa rara ida minha a um centro comercial, houve alguém que decidiu estatelar o seu carro contra a frente do meu. Bendito século XXI, papelada para cá e para lá e tudo se resolveu.

O primeiro telefonema da seguradora para mim, foi para informar que o condutor do veículo que bateu no meu não tinha o seguro válido. Traduzido em linguagem profissional: No meu sinistro o condutor não tinha pago a apólice.
Resolvido isto, que não passou de um falso alarme, marcaram a peritagem do carro. Claro está, que na ponta oposta ao meu trabalho. Até ai tudo bem, lá organizei a coisa de forma a conseguir.
Durante as minhas férias, ligarem vezes sem fim, até que atendi e a "xodona Dina" disse que tinham de marcar nova peritagem, pois aquela não tinha sido válida, tinha sido feita pela seguradora errada. E a próxima vistoria seria no dia seguinte, já marcada.
Expliquei à senhora que estava na Suiça, numa pausa de uma descida de uma pista azul, para atender o seu tão urgente telefonema. Como tal, era impossível eu comparecer à peritagem. Marcaram como FALTA minha.
Logo que cheguei marquei novamente.
Nessa noite a Bia foi mordida por um insecto e aquilo inchou tanto que acabámos no hospital às 6 da manhã. Tive de faltar e mais uma falta minha.
Na quarta tentativa, depois de mudar a minha vida toda, de apanhar 2 taxis, lá deixei de novo o carro à hora marcada. 8H30 da manhã na garagem. Às 17h00, telefono a perguntar se posso ir levantar o carro. O perito faltou. Simplesmente não compareceu o dia todo, e mais um taxi e alguns trocos do meu bolso.

Saltou-me a tampa! Literamente SALTOU-ME A TAMPA TODA.

Depois de alguns telefonemas, que não valem a pena referir, enviaram-me o orçamento por escrito, eu enviei à seguradora e marcaram a reparação.

A rent-a-car que me arranjaram, está na ponta oposta à oficina, que fica numa outra ponta oposta do meu trabalho, que por sua vez fica longe "comócaraças" da minha casa.

Hoje, dia de levantar o carro até às 17H30, para não falhar decidi sair às 16H15.

Ora pois que:
Começou a chover sem haver amanhã
Fecharam o túnel do Marquês
Houve uma manifestação
E depois de muitas voltas, pedidos, telefonemas e quase ameaças, lá consegui que me entregassem o carro à hora que conseguisse lá chegar.

Tudo isto para registar que:
Saí do emprego às 16H15 e cheguei a casa às 20H20, com produtividade ZERO.
Mais um daqueles dias em que o meu marido que trabalha no Algarve, chega antes de mim a casa.

1 comentário:

mamã Xana disse...

Obrigada pelo convite! :)

Infelizmente também tenho andado às voltas com as seguradoras, apesar de no meu caso a coisa ter sido mais simples, a minha experiência com estas entidades também não é a melhor... :(
Bjs